Notícias

Êxodo rural polariza debate parlamentar no Fórum Regional em Defesa do Rio Corumbataí

1001003_472048806222252_2130696507_n

Vereadores de Rio Claro, Piracicaba, Santa Gertrudes, Itirapina, Ipeúna e Analândia participaram do terceiro encontro do Fórum Regional em Defesa do Rio Corumbataí nas dependências da Câmara Municipal de Corumbataí. A reunião, realizada na manhã da última sexta-feira, dia 28, contou com as presenças de representantes do Consórcio da Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), entre eles o presidente do Conselho Fiscal e vice-presidente da Câmara de Rio Claro, Júlio Lopes.

O êxodo rural foi o tema central do debate. Presidente da Câmara de Corumbataí, o vereador João Batista Altarugio observou que 46% das áreas localizadas ao longo da extensão da bacia do Rio Corumbataí, entre Analândia e Piracicaba, contam com plantações de cana-de-açucar.

Na avaliação de João Batista o motivo são as dificuldades cada vez maiores impostas ao homem do campo. “Para ter ideia do tamanho do problema enfrentado pelo produtor rural, o litro do leite é vendido por apenas R$ 0,60”, disse o presidente da Câmara de Corumbataí. “O homem de campo tem de investir na produção para viver e na preservação ambiental para não ser multado. Não há caixa para tudo isso. Muitos desistem e a partir daí vendem ou alugam suas propriedades”, completou.

Na mesma rota do discurso de João Batista, o vereador Júlio Lopes avalia que o produtor rural “está sendo massacrado”. A seu ver, os governos estadual e federal precisam apoiar o homem do campo, caso contrário o êxodo rural será a única alternativa para evitar o acúmulo de prejuízos.

Ao falar da atenção do poder público com a zona rural, Júlio Lopes exemplificou o quadro dizendo que atualmente há mobilização das prefeituras, em muitos casos por força de ações promovidas pelo Ministério Público, voltada para investimentos na área de saneamento básico urbano. “E na zona rural?”, questiona o vereador. “A zona rural, onde se produz o alimento e a água que consumimos não precisa de investimentos no setor de saneamento básico”, enfatizou.

Responsável por trabalhos que visam preservar a Bacia do Rio Corumbataí, desde a década de 90, o vereador de Piracicaba, José Aparecido Longatto, fez alerta sobre a triste realidade dos produtores rurais hoje em dia. Para ele, o homem do campo precisa de apoio, principalmente financeiro, para que o trabalho de conservação e preservação de rios possa acontecer.

“Se acabarmos com o agricultor o que vamos comer na cidade? Não dá para vestir automóvel e comer televisão. Não de pode menosprezar os poucos que se propõem a fazer o trabalho que muitos rejeitam. O trabalho no campo é muito difícil”, apontou Longatto.

Realizadas reuniões em Rio Claro, Piracicaba e Corumbataí, a ação parlamentar regional conta agora com mais dois agendamentos. Em julho, o encontro será em Analândia e no mês de agosto em Ipeúna. “Relatórios elaborados a partir destes encontros vão definir a pauta de reivindicações que vamos entregar em mãos ao governador do Estado”, afirmou Longatto.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo