Notícias

Abertura do Encontrarte reúne mais de 300 pessoas no Centro Cultural

Público superior a 300 pessoas acompanhou, na noite da última segunda-feira, a solenidade de abertura da programação do Encontrarte em Rio Claro. A atividade, realizada nas dependências do Centro Cultural Roberto Palmari contou com alunos de diversas escolas, entre elas: Chanceler, Odilon Corrêa, Januário Pezzotti, Zita de Godoy, Dijiliah, Dante Egrégio, Armando Grisi, Faculdades Claretianas, entre outras.

Cabe ressaltar que nesta quarta-feira, dia 9, a apresentação da peça teatral Batata Quente, que faz parte do Encontrarte, será apresentada nas seguintes escolas: Oscália (Wenzel), às 9h30; Armando Grisi (20h30) e novamente na Oscália (21h15).

Na abertura do evento, o público tomou conhecimento de dados que comprovam a estatística negativa nas cidades devido ao comércio de drogas e consumo de álcool. Enquanto para o governo, cada preso tem custo mensal aproximado de R$ 3 mil, para as famílias o custo é maior ainda já que o enfrentamento gera desgaste e na maioria das vezes o quadro revela-se irreversível.

A mesa principal, na solenidade, foi composta por: Gilberto Porto, promotor público; Adriano Marchi, representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Udam; Augusto Diniz, assessor da deputada federal Aline Corrêa (PP); Nídia Aparecida Neves, professora coordenadora do Núcleo Pedagógico de Limeira, Ana Elisa Limeira, presidente do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso e o vereador Julinho Lopes (PP) representando a Câmara Municipal.

Ana Elisa Limeira, na abertura dos trabalhos, fez resumo de como as ações foram desenvolvidas para a criação do Encontrarte. A primeira apresentação teatral, relatou a conselheira, aconteceu em 2009 na cidade de Osasco. Ana falou também sobre o projeto Batata Quente que chama a atenção da sociedade sobre as alternativas disponíveis para o usuário de entorpecentes. “É preciso criar rede protetora e para isso o caminho único é a descentralização das ações via a criação, nas cidades, do Conselho Municipal de Políticas de Combate às Drogas. Temos de tratar este assunto, que é grave, com seriedade”, afirmou.

Na avaliação da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Rosana Altimari, o caminho correto é transformar a Semana de Prevenção ao Uso de Drogas e Álcool em uma campanha na cidade. “Falta o comprometimento de muita gente. Álcool e drogas transformam a vida de muitas famílias de forma negativa”, alertou. Rosana comentou ainda que o município tem o compromisso de formar um ou mais grupos para continuar levando a mensagem em Rio Claro trazida pelo programa Encontrarte.

Representante do Ministério Público, o promotor público Gilberto Porto comentou que o trabalho de combate às drogas e o álcool trata-se de um tema complexo e amplo. A seu ver, as ações, obrigatoriamente, precisam envolver a sociedade como um todo: “O problema em discussão tem como raiz famílias desestruturadas, desemprego, entre outros elementos”, sinalizou. O promotor citou o trabalho desenvolvido pela FIA – Força Integrada Azul. “Que as escolas e entidades nos procurem. Precisamos de informações para mapear a cidade. Onde a sociedade perde território, o traficante se impõe”, enfatizou.

Organizador do evento, o vereador Julinho Lopes centralizou a sua fala nas armadilhas às famílias que o mundo das drogas e do álcool colocam em pontos estratégicos de forma silenciosa. “A droga está na balada, nas portas das escolas, nos campos de futebol, enfim, em locais que os nossos filhos frequentam. Não podemos estar junto com as nossas crianças a todo momento. Daí, a necessidade da orientação”, enfatizou.

Julinho Lopes citou como uma das raízes do problema, a proliferação das drogas sintéticas. “Muitas delas, conforma noticiou a imprensa nacional, nem foram catalogadas. Por isso, estão fora da área de fiscalização da Anvisa”, alertou.

O vereador agradeceu o apoio da deputada federal Aline Corrêa (PP) destacando que entre os mais de 600 municípios paulistas, apenas nove foram contemplados com o programa Encontrarte. Entre eles, Rio Claro. “Precisamos, mesmo que seja através de peça teatral, levar a mensagem às nossas crianças, adolescentes e jovens sobre os riscos. O consumo do álcool, que é uma droga lícita, muitas vezes é a porta de entrada para o mundo das drogas. Ninguém nasce viciado”, finalizou o parlamentar.

 

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo