Meio Ambiente

Julinho Lopes defende instalação do Centro de Reabilitação de Animais em Rio Claro

O município de Rio Claro continua discutindo a possibilidade de instalar um Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras). O assunto foi pauta de reunião realizada nesta sexta-feira (1º) no paço municipal com representantes do Executivo, Legislativo e entidades que atuam em defesa do meio ambiente.

Para Julinho Lopes, este projeto, além de proteger a nossa fauna, abre a possibilidade de cultivarmos a importância do meio ambiente e sua preservação, já que o trabalho de reabilitação dos animais é complementado com a educação ambiental. “Podemos reeducar e informar as pessoas sobre os impactos que podem ser gerados pelo homem aos animais silvestres, além de alertar sobre o tráfico e a prática inadequada da sua domesticação”, defendeu o vereador ao lembrar que atualmente Rio Claro destina seus animais para Jundiaí, mas após o tratamento, eles não retornam para o nosso município e ao seu habitat de origem.

“Temos feito várias ações voltadas para a educação ambiental e a criação do Cras pode vir a somar nesse trabalho”, comentou o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria, lembrando que o município conseguiu a transferência da Cia. da Polícia Ambiental de Araras para Rio Claro e vai inaugurar em breve a Sala Verde no Lago Azul.

O Cras tem por objetivo prestar atendimento médico veterinário aos animais vítimas de atropelamento, queimada, caça, tráfico, entre outros acidentes e, após o processo de reabilitação, soltá-los em seu habitat natural. Uma área próxima à Usina de Corumbataí está sendo analisada para receber o centro. A instalação do Cras depende de outros projetos e ações que estão em andamento.

“O centro visa contribuir para revitalização da biodiversidade e valorização dos recursos naturais da cidade”, afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente, Antonio Penteado. “O objetivo é resgatar e auxiliar na recuperação de animais que sofrem acidentes ou maus tratos”, reforça Solange Marscherp, diretora do Departamento Municipal de Proteção Animal.

“Queremos tornar Rio Claro uma referência ambiental, um pólo a ser seguido no Estado de São Paulo”, disse o promotor de Justiça, Gilberto Porto Camargo que cumprimentou o prefeito Juninho da Padaria pela conquista de transferir para Rio Claro a 7ª Cia. PMA que antes ficava em Araras.

A promotora de Justiça Alexandra Faccioli Martins, do Gaema de Piracicaba, destacou a necessidade da destinação de recursos para viabilizar a instalação do Cras e sua manutenção. Ela sugeriu que o dinheiro obtido com multas de infrações ambientais seja utilizado para esse fim.

Também participaram da reunião Rodrigo Ragghiante, procurador geral do município; Miguel Milinski, presidente da Associação Amigos do Horto Navarro de Andrade; Alessandro Almeida, do Departamento de Proteção Animal; Marcos Fernandes Gaspar, da ONG Miraterra; Cláudio dos Santos Silva, da Comissão de Meio Ambiente da OAB; Carlos Lopes, do Ministério Público; Samuel de Oliveira Nunes e Jorge Bellix de Campos, da Associação Mata Ciliar; Ivo Fabiano Morais, da Polícia Ambiental; e José Renato dos Santos, da Floresta Estadual.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo