Meio Ambiente

Estre apresenta à empresas e municípios tecnologias na gestão e destinação de resíduos

1001952_612398025520662_1607078951186453715_n 10157124_612398012187330_58308316566612847_n 10171692_612398018853996_4698170258752536370_n

Estre apresenta à empresas e municípios tecnologias na gestão e destinação de resíduos

A Estre promoveu nessa quinta-feira, dia 10, encontro com visita técnica às dependências de seu aterro sanitário e ao Instituto Estre, em Paulínia (SP). O evento contou com o apoio do Consórcio PCJ e com a presença de diversos associados à entidade, entre representantes de municípios e empresas, e teve como objetivo apresentar o trabalho da empresa e tecnologias na gestão e destinação de resíduos.

Os diretores Ronald Penteado e Breno Palma fizeram um panorama sobre a situação do manejo de resíduos no Brasil e os desafios que o setor enfrenta para a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que prevê entre outras ações, a eliminação de lixões em 2014 e a implantação e consolidação da logística reversa, iniciativa que prevê o retorno de resíduos aos seus geradores.

“Esse tema não era abordado pela imprensa, hoje é discutido por todo mundo. Será difícil atingir essa meta [eliminar os lixões], mas temos de procurar atendê-la, senão no prazo determinado, que seja num novo prazo mais exeqüível”, alertou Breno Palma.

A Estre atua em diversas partes do Brasil, em Buenos Aires na Argentina, Bogotá na Colômbia, além ter 11% de participação na empresa americana Star Atlantic Waste Holdings. A empresa possui 21 aterros sanitários processando 45 mil toneladas de resíduos por dia e possui 3.373 clientes privados e 107 prefeituras, atendendo mais e 22 milhões de pessoas.

“Acreditamos no setor. De fato, o Brasil possui muitas carências na gestão de resíduos, mas nós podemos contribuir e apresentar soluções”, completou Palma.

No aterro sanitário da Estre em Paulínia está em estudo a viabilização de se produzir energia por biogás, resultante da decomposição dos resíduos no aterro. Segundo Ronald Penteado, com o aproveitamento deste gás será possível produzir 25 Megawatts, suficientes para abastecer uma cidade de 180 mil habitantes. De acordo com Penteado, o custo de produção dessa nova fonte de energia é mais cara que a hidrelétrica, porém, não mais cara que a termelétrica.

O secretário executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, falou na abertura do encontro que a operação da Estre na gestão de resíduos é um exemplo para o país. “Muitas pessoas queriam estar aqui hoje, adquirindo conhecimento nessa área e tendo essa oportunidade que estamos tendo”, disse ele.

A coordenadora de projetos Ligia Cepeda, falou sobre a importância do atendimento à nova legislação e os encontros técnicos de capacitação sobre o tema que o Grupo das Empresas do Consórcio PCJ está realizando há dois anos.

O encontro aconteceu em duas turmas, uma no período da manhã e outro no período da tarde. A Estre é uma das 31 empresas associadas ao Consórcio PCJ.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo