Assistência Social

Dia Municipal de Conscientização do Autismo é celebrado no início de abril

O Dia Mundial da Conscientização do Autismo foi criado pela ONU, em 2007. Ele acontece anualmente em 2 de abril, e promove ações para chamar a atenção sobre o autismo. Através do Projeto de Lei 058/2013, de autoria do vereador Julinho Lopes, a data passou a fazer parte do calendário oficial do município.

Crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) já começam a demonstrar sinais nos primeiros meses de vida: elas não mantêm contato visual efetivo e não olham quando você chama. A partir dos 12 meses, por exemplo, elas também não apontam com o dedinho. No primeiro ano de vida, demonstram mais interesse nos objetos do que nas pessoas e, quando os pais fazem brincadeiras de esconder, sorrir, podem não demonstrar muita reação.

Essa mobilização pelo mundo é um alerta, já que o autismo é desconhecido por muitos e a maioria das famílias não sabem como lidar com o distúrbio, que afeta a comunicação, a socialização e a atenção das pessoas afetadas.

Para Julinho Lopes, entender esse transtorno cerebral é fundamental para que a sociedade consiga lidar com clareza e respeito, ajudando os portadores de autismo a quebrar suas próprias barreiras. “A conscientização favorece o respeito pelas diferenças”, citou o vereador.

O parlamentar também é autor do Projeto de Lei que institui ações de vigilância precoce do autismo nas crianças atendidas em creches e unidades da rede básica de saúde do município. “A detecção do transtorno nos anos iniciais traz ganhos consideráveis para o desenvolvimento da criança, desde que a descoberta seja seguida de acompanhamento e tratamento adequado”, explicou Julinho.

A Fundação Municipal de Saúde oferece toda estrutura necessária para o rastreamento precoce do transtorno, bem como seu tratamento. Em Rio Claro, o acolhimento e atendimento dos casos de autismo, via Sistema Único de Saúde (SUS), se dá a partir do Centro de Habilitação Infantil Princesa Victoria, que atende crianças de até seis anos. A partir dos seis anos, a criança é acolhida pelo Caps-I (Infantil) e Criari (Centro de Referência da Infância e Adolescência de Rio Claro).

Os problemas causados por esta desordem podem variar. Existem crianças autistas que possuem inteligência e fala intactas, já outras convivem com sérios problemas de desenvolvimento na sua linguagem. De acordo com a ONU, mais de 70 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo possuem autismo. A síndrome afeta quase 2 milhões de brasileiros.

Unidades

Centro de Habilitação Infantil Princesa Victoria
Avenida José Felício Castellano, 1700, Vila Cristina
(19) 3527-1461 ou 3535-4408

Centro de Atenção Psicossocial Infanto Juvenil – Caps-I
Rua 11, 1945 – Santa Cruz
(19) 3523-3754

Centro de Referência da Infância e Adolescência de Rio Claro – Criari
Rua 3, 227 – Centro
(19) 3533-4055

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo